Como funcionam os cursos de pós-graduação em EaD

A conclusão de um curso de graduação traz inúmeras alegrias. Para começar, boa parte da pressão da sua vida parece que vai embora com o início de uma nova carreira e com uma sobra maior de tempo com o fim dos dias e das noites dedicadas aos estudos. Porém, com o mercado cada vez mais competitivo, ter uma graduação deixou de ser um diferencial. Por isso, muitos brasileiros estão buscando aperfeiçoamento profissional através de cursos de pós-graduação.

Segundo dados doMinistério da Educação, o Brasil possui 122.295 estudantes matriculados em cursos de pós-graduação. Esse número revela um crescimento importante desse mercado, já que, em 1996, existiam apenas 67 mil estudantes de pós-graduação no País. O brasileiro se mostra mais disposto a estudar e a se desenvolver intelectualmente, sendo um dos motivos para isso, sem dúvida alguma, o exigente mercado de trabalho.

Como o mercado valoriza os profissionais que finalizaram cursos de graduação?

O levantamento mais recente feito pela consultoria Produtive, com cerca de 400 executivos das regiões Sul e Sudeste, concluiu que profissionais que apresentavam apenas a graduação no currículo tiveram, entre 2014 e 2015, um aumento salarial nominal – ou seja, sem considerar a inflação do período – de 4,6%.

Já os profissionais que tinham concluído cursos de pós-graduação receberam um reajuste de 12,4% no mesmo período. Ou seja, esses profissionais receberam acima da inflação acumulada no País em 2015, que foi de 10,67%, segundo o IPCA.

Ainda de acordo com a pesquisa que foi divulgada pela Folha de São Paulo em 2018, um graduado ganhava em média R$ 6.096 no País, enquanto que os pós-graduados chegavam a receber R$ 17.561. Então, é hora de pensar em voltar aos estudos. Se o seu tempo é limitado e você não se vê mais em uma sala de aula ouvindo longos conteúdos, calma! Os cursos de pós-graduação a distância chegaram com tudo. Confira, a seguir, mais a respeito dessa possibilidade de formação.

A história dos cursos de pós-graduação no Brasil

O primeiro curso de especialização do Brasil foi inaugurado após as mudanças sociais e econômicas impulsionadas pelo aumento da população e pela urbanização iniciados após o início da República. Segundo informações do artigo“Origem e evolução dos cursos de pós-graduação lato sensu no Brasil”, produzido pela professora da FGV Fátima Bayma de Oliveira, foram marcos da década de 1920, no campo educacional, “a criação da Universidade do Rio de Janeiro, primeira universidade do Brasil, e a promulgação da Reforma de Ensino Rocha Vaz, em 13 de janeiro de 1925”.

O Decreto n.º 16.782-A, promulgado naquela data, criou o Curso Especial de Higiene e Saúde Pública. O objetivo dessa formação era “o aperfeiçoamento técnico dos médicos que viessem a desempenhar funções sanitárias”. Na prática, tratava-se de um curso de pós-graduação do ensino médico.

A necessidade de uma formação adicional em relação à oferecida pelos cursos de graduação se deu graças ao fato de que, aos poucos, a burguesia brasileira começou a ter mais acesso e interesse pela educação.

A partir daí, os poucos profissionais que existiam viram a concorrência crescer e começaram a mudar o foco das suas carreiras. Assim, os motivos que levam às pessoas hoje aos cursos de pós-graduação seguem o mesmo princípio da origem desse tipo de formação no País. Entre as principais razões destacadas em pesquisas feitas pela internet para alguém buscar por cursos de pós-graduação estão: redirecionamento da carreira, fortalecimento do currículo, networking e aumento salarial.

Cursos de pós-graduação: saiba mais sobre as modalidades de ensino lato sensu e stricto sensu

Depois de saber um pouco mais sobre a história dos cursos de pós-graduação no País e o que faz as pessoas buscarem por essa formação, será interessante para você entender as opções disponíveis. O primeiro passo será compreender que os cursos de pós-graduação são divididos em dois tipos, essencialmente: lato sensu e stricto sensu.

De acordo com o Ministério da Educação, o ensino lato sensu é o que tem menor carga horária (ou seja, menor duração) e foco nas exigências do mercado de trabalho. O ensino stricto sensu, por outro lado, é a opção com maior duração e voltada para quem deseja investir na formação de professores e na produção de pesquisas e conteúdo científico.

Importante você saber também que, enquanto as pós-graduações lato sensu englobam cursos de especialização e de aperfeiçoamento, os cursos stricto sensu abrangem mestrado (que pode ser acadêmico ou profissional) e doutorado.

Confira detalhes sobre essas modalidades de cursos de pós-graduação a partir do que é divulgado peloportal O Globo Economia:

– Pós-graduação lato sensu

– Especialização: os cursos de especialização podem ser realizados tanto na área de graduação quanto em áreas diferentes do curso superior feito inicialmente pelo aluno. Alguém que se formou no curso de Contabilidade, por exemplo, pode fazer uma pós na área de Direito Tributário para aprimorar seus conhecimentos e conseguir se destacar no mercado.

Os processos seletivos para os cursos de especialização não costumam ser muito minuciosos. Normalmente, para entrar em um curso de especialização, a faculdade exigirá apenas o diploma de graduação e fará uma avaliação do seu currículo. A duração de uma especialização costuma ser de um ano. Para receber o certificado de conclusão do curso, o aluno precisa desenvolver uma monografia final.

– MBA (Master of Business Administration): essa também é uma graduação lato sensu. Porém, diferentemente da especialização, conta com uma estrutura focada principalmente nos pilares da Administração e da Gestão Empresarial.

Essa formação é bastante recomendada para profissionais que querem refinar suas capacidades especificamente nessas áreas. Mesmo não sendo tão concorrido quanto um mestrado ou um doutorado, o processo seletivo de um MBA pode ser bastante meticuloso. Em geral, os cursos de pós-graduação do tipo MBA, dependendo da instituição de ensino, costumam durar cerca de 2 anos.

– Pós-graduação stricto sensu

– Mestrado acadêmico: tem duração de dois anos e funciona em sistema de dedicação exclusiva. O objetivo principal dessa formação é aprofundar os conhecimentos adquiridos na graduação e formar pesquisadores e professores para dar aulas em instituições de ensino superior.

Para fazer um desses cursos de pós-graduação é preciso ter um pré-projeto de pesquisa e passar por diferentes etapas de seleção. Geralmente, as faculdades que oferecem a modalidade de mestrado acadêmico costumam pedir exame escrito, prova de língua estrangeira, análise de currículo e entrevista pessoal. Ao fim do curso, para ganhar o diploma, é necessário apresentar uma dissertação.

– Mestrado profissional: também dura dois anos e enfatiza estudos e técnicas para que o profissional alcance um alto nível de qualificação direcionada ao mercado de trabalho. As exigências de ingresso são as mesmas do mestrado acadêmico.

Já o trabalho apresentado ao fim do curso pode ter vários formatos, como dissertação, artigo, registros de propriedade intelectual, desenvolvimento de aplicativos, softwares e projetos de inovação tecnológica, entre outros.

– Doutorado: com duração de dois a quatro anos, esse curso tem como objetivo proporcionar ao aluno um aprofundamento maior do que o mestrado em uma determinada linha de pesquisa. Dependendo da instituição de ensino, para ingressar em um doutorado é exigido do candidato o diploma de mestre. Já o trabalho de fim de curso é uma tese que deve apresentar conteúdo inédito e inovador na área escolhida.

Pós-graduação EaD: alternativa à pós tradicional

O aumento no número de brasileiros cursando uma pós-graduação – dado apresentado no início deste conteúdo, com base em informações do Ministério da Educação – justifica-se pela competitividade crescente do mercado de trabalho. Porém, outro ponto que ajudou nesse crescimento foi a disponibilização de opções flexíveis para que cada vez mais alunos acessem cursos de pós-graduação no País.

Os alunos dos cursos de pós-graduação precisam muitas vezes conciliar carreira, família, projetos sociais e os estudos. Diante dessa realidade, a liberdade proporcionada pelo ensino a distância se torna bastante atrativa.

Uma das vantagens que mais chama a atenção nos cursos de pós-graduação EaD, segundo artigo doPortal Exame, é a economia em relação ao tempo de deslocamento dos alunos. Muitas vezes o estudante trabalha muito longe da universidade e não consegue chegar a tempo do início das aulas, seja por conta do trânsito ou por causa do horário de saída do trabalho. Ao optar por uma pós-graduação a distância, o aluno pode ir mais cedo para casa, evitar horas de trânsito e estudar quando for mais conveniente.

Além disso, os preços dos cursos de pós-graduação a distância costumam ser mais acessíveis. Isso quebra mais uma barreira que poderia dificultar o ingresso na especialização desejada.

Afinal, o objetivo de quem procura por cursos de pós-graduação é buscar novos desafios e oportunidades e não acabar endividado ou sobrecarregado. Assim, os cursos EaD permitem que você dê atenção à sua qualificação enquanto estuda em horários que se encaixam na sua rotina.

Stavros Panagiotis Xanthopoylos, vice-presidente da Abed (Associação Brasileira de Educação a Distância), explicou em uma entrevista aoPortal Guia do Estudante que a flexibilidade e a familiaridade com o ambiente virtual são as principais chaves para o sucesso do ensino não presencial.

“Na [modalidade] EaD o aluno consegue montar sua própria rotina de estudos, dedicando-se às aulas nos horários mais convenientes para ele. Além do mais, [ele] utiliza de ferramentas com as quais já está familiarizado no mundo virtual, o que ajuda a explicar o crescimento recente desta modalidade”, explica Xanthopoylos.

Porém, essas vantagens não são sinônimo de um curso mais fácil. Em algumas etapas da pós-graduação EaD, o aluno terá que comparecer à faculdade para realizar provas, participar de reuniões e para apresentar seu trabalho final, por exemplo. Antes de fazer sua inscrição, verifique com a universidade o local das atividades presenciais e a quantidade de encontros necessária durante o curso.

O cronograma de leituras também costuma ser bastante puxado, o que obriga o aluno a dedicar várias horas semanais para o curso de pós-graduação. Além do mais, como em qualquer outro curso de ensino superior, por lei o aluno de EaD tem que atingir a nota média em todas as disciplinas. No caso de não conseguir isso, poderá ser reprovado e precisará cursar a disciplina mais uma vez.

Com isso, podemos destacar que os cursos de pós-graduação no formato EaD são reconhecidos pelo MEC e valem tanto quanto os cursos presenciais. Porém, apesar da aceitação cada vez maior desse tipo de formação no mercado, fazer o curso em uma universidade de qualidade ainda é um diferencial.

“Se for cursada em uma boa instituição, a pós a distância nada deve aos cursos presenciais. E ainda tem a vantagem de desenvolver nos estudantes algumas habilidades específicas importantes para o mercado de trabalho, como a disciplina, o trabalho em equipe a distância, a flexibilidade e a atuação com ferramentas de TI”, explica Stavros.

AUniversidade Estácio de Sá, uma das instituições de ensino superior mais respeitadas do País, oferece pós-graduações em mais de 20 áreas do conhecimento.

Vale destacar que o ensino a distância não está disponível apenas para as opções lato sensu, sendo também oferecidos cursos de pós-graduação da modalidade stricto sensu a distância.

No final de 2018, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) publicou a Portaria n.º 275. Essa legislação regulamenta a atividade do ensino a distância para cursos de mestrado e de doutorado. Ou seja, as opções de formação após a graduação são amplas. Se o seu desejo é se especializar e crescer profissionalmente, a união de educação e tecnologia pode ajudá-lo com o seu objetivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *